1975, em Luanda a descolonização incentivou ódios e guerras onde os brancos fogem e em poucos meses se mudam para Portugal mais de meio milhão de pessoas, num processo revolucionário que está no seu auge e os portugueses retornados são recebidos com uma enorme desconfiança e hostilidade. Devido a isto, muitos deles não têm para onde ir nem sustento para viver, ou melhor, sobreviver. Rui, com apenas 15 anos, é um desses casos. 

No mesmo ano, 1975, mas agora em Lisboa. Durante mais de um ano, Rui e a sua família, tal como outros tantos retornados, vivem num quarto de um hotel de 5 estrelas que estava a abarrotar – uma situação sem salvação garantida e que dia após dia se tornava cada vez pior e se degradava cada vez mais. A adolescência deste rapaz é passada na ânsia da idade adulta, mas é uma espera assustada porque este terá grandes desafios pela frente: aprender o desespero e a raiva, reaprender o que é o amor e como amar e ainda inventar uma esperança. Para ele não é fácil e por isso, mantém África sempre presente mas esta parece cada vez mais longe conforme os dias vão passando.


Obra indicada para o 4.º Ciclo, mas com uma história que nos faz querer ler até ao fim porque são relatos de uma realidade que se passou verdadeiramente no nosso país entre 1974 e 1975. O facto de ser tão próximo de uma realidade, faz-nos querer perceber como as coisas se passaram e o que aconteceu durante e após toda esta história. Esta é uma obra onde podemos aprender muito de uma forma cativante...

b_0_280_16777215_01_images_Leituras_O_retorno.jpg


Dupla delícia - O livro traz a vantagem de podermos estar só e ao mesmo tempo acompanhados (Mário Quintana)